A COPA, DUAS COSTELAS E UMA COVARDIA!

Pois é, estamos todos envolvidos e entusiasmados com os guerreiros de Dunga nesta maravilhosa Copa do Mundo de 2010, que está acontecendo na África. Por razões outras que o destino nem sempre deixa a gente entender, estou aqui mais uma vez escrevendo para muitos de meus estimados e preciosos leitores. Muito obrigado a todos que me acompanham aqui neste minifúndio de papel. Na última edição não pude estar presente por motivos de dores maiores. Mas antes de falar das dores, que nem semana snata é, vamos à Copa do Mundo. Aliás aí está a beleza da imaginação. Posso convidá-lo, caro leitor, querida leitora, para uma viagem maravilhosa à terra onde tem sido maltratada nossa querida e estimada Jabulani, aquela redondinha, à qual chamamos bola, e que o Maradona chama “pelota”. Aliás, como está engraçadinho Don Diego Armando Maradona, hein, fazendo maravilhosamente bem aquela papel da galinha que recolhe, carinhosamente, seus pintainhos debaixo das asas, ao final de cada partida e exibição da seleção dos malfadados hermanos. Aliás, a Argentina tem sido uma das grandes favoritas neste mundial. E tomara que nós, brasileiros, os encontremos, os queridos hermanos, argentinos na final do mundial dia 11 de julho próximo no esplendoroso Soccer City. Bom, como pela frente teremos um suco de laranja para tomar, depois do jogão contra a Holanda, de cujo futebol pragmático não tenho nem um tiquinho de medo e depois também o clássico entre Alemanha e Los Hermanos. Meu palpite, pelo futebol solto e alegre que vem jogando a Argentina, acho que a Alemanha vai fazer as malas mais cedo de volta pra casa. Embora tenha chegado à África como uma das grandes favoritas, e tenha tido o gostinho da vingança daquele chute que não entrou em 66, e que foi validado como gol, nestes mais de 30 cm que a Jabulani passou a linha do gol e o tento não foi referendado, sinceramente não sei se a Alemanha terá futebol para superar o bom momento do jogo portenho. Contudo, como dizia o querido e inesquecível Kafunga: futebol é jogado e lambaria é pescado, eu estou torcendo pela Argentina. Acho que não haverá sabor mais delicioso do que sermos campeões do mundo em cima da Argentina no próximo dia 11 de julho. Pode até ser que o Brasil não passe pela Holanda, o que eu acho difícil, porque a seleção de Dunga tem conseguido vitórias interessantes e conquistas importantes nestes últimos 3 anos e mais alguma coisa. Estou contando com uma vitória, ainda que sofrida, mas bonita do Brasil sobre a Holanda nas quartas-de-final da Copa. Eu, particularmente, ficaria surpreso, se por uma ou outra razão, nosso time não estivesse na Semi-final e na final. Mas o que conta é o jogo jogado. Vamos ver no que vai dar. Não tenho medo do time da Holanda, mesmo porque estão tão longe, que não me fariam qualquer tipo de mal. Sobrarão ainda algumas linhas da próxima vez para os meus comentários finais. E tomara que eu não queime a língua, né? A razão de minha ausência na última edição foi o acidente em que me envolveram no dia 14 do corrente junho, quando ia para uma reunião na Prefeitura, mais precisamente na Procuradoria do Município para tratar de assuntos de interesse da coletividade. Infelizmente um rapaz em uma moto e numa manobra infeliz, tendo caído, nas proximidades do Museu Antônio Perdigão, atingiu-me com uma certa violência em razão do impacto, deixando-me com duas costelas fraturadas, com cujas dores convivi mais de cinco dias, pois o raio x do Pronto Socorro não detectou as fraturas e somente na sexta-feira dia 18, depois de procurar um ortopedista no Hospital Maternidade São José e de novo raio x, constatou-se a lesão em duas costelas. Apesar de todos os achaques, redescobri a beleza e o prazer que é poder respirar normalmente. A convalescência vai caminhando, e a recuperação é somente com o tempo, razão pela qual estou retomando, aos poucos, as atividades normais, com todo o cuidado necessário. É preciso que estejamos atentos, sobretudo aos motoqueiros que trafegam tresloucadamente pelas nossas ruas, e de modo especial, aqueles que fazem o serviço de tele-entrega. Uma correria um perigo constante sobre duas rodas. Mais prudência e mais cuidado para todos nós não farão mal algum. Agora vergonhosa e covarde mesmo foi a atitude de um empresário na comunidade dos Almeidas, na terça-feira dia 08, por volta das nove e trinta da manhã, que espancou violentamente um senhor com mais de sessenta anos de idade, dentro do seu escritório, e com a subserviência, omissão e cumplicidade de seus irmãos e funcionários, não fosse a presença da esposa da vítima, que, desconfiada do que pudesse estar acontecendo, gritou e pediu que soltassem o seu marido e não fizessem o que estavam fazendo, com o objetivo de intimidá-lo e não se responsabilizar pelos estragos que seus caminhões estão fazendo naquelas estradas que dão acesso à fazendo da Barroquinha. Esta agressão causou revolta em muitas pessoas de bem da comunidade dos Almeidas e adjacências. Num primeiro momento, fica a sensação de uma terra sem lei, ou onde, supostamente, mandariam os abastados e endinheirados, sob o manto da impunidade e da arrogância? Devidamente registrada a queixa e o boletim policial, as vias judiciais estão sendo procuradas, para que se punam, na forma da lei e do respeito ao estado de Direito, em que imaginamos morar, os responsáveis por tal atrocidade. Foram feitas denúncias à polícia ambiental e a outras instâncias, que devem se pronunciar nas próximas semanas. Enquanto isso, aquele senhor covardemente vítima de tortura, cárcere privado e lesão corporal grave, está às voltas com tratamentos médicos das graves lesões sofridas, tendo que ser transferido, nesta semana, para Belo Horizonte, em buscas de maiores e melhores recursos para o tratamento da sua saúde. Todos nós, que conhecemos bem os fatos, e já também as mentiras que, ardilosamente, estão sendo espalhadas na comunidade, esperamos que a justiça seja feita, e quem cometeu tais gravíssimos delitos seja devidamente punido…….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *