2ª Coluna Jogo de Cintura 21.01.2013 Apagão da Consciência!

Os tempos começam a correr novamente. Tivemos a falsa sensação de que as coisas talvez pudessem mudar ou pelo menos desacelerar. Mas nem tanto. Continuamos com o pique desmesurado e agitado de sempre. Enganosamente nosso organismo se adequa para nos passar uma falsa compreensão de que tudo pode mudar… pode nada…. tudo muda, se, na verdade, a gente mesmo tomar a decisão de mudar. Sendo assim, basta um olhar um pouco mais crítico e aprofundado, para ver como que as coisas estão. As inconsequências continuam no mesmo tom, haja vista algumas tragédias anunciadas, com as quem têm ocorrido e se repetido em nosso país nos últimos anos. A falta de investimento em infraestrutura tem nos causado grandes e graves problemas. Agora estamos mais uma vez, depois sobretudo do final do desgoverno de FHC, em que as coisas saíram definitivamente dos trilhos, apesar de toda a privataria, sobre a qual ninguém tem a mínima informação e não se sabe aonde foram parar os recursos amealhados com venda de nossos maiores interesses. Certo é que estamos diante de um gravíssimo pane em todo o nosso sistema de transmissão de energia, embora os burocratas do Governo teimem em dizer que a situação está sob controle. Sob controle precisa de estar nossa saúde financeira, pois pagamos uma das energias mais caras do mundo, apesar da tentativa de se diminuir o custo da mesma, em recente medida administrativa, já aprovada pelo Congresso Nacional. Certo é que, às portas de grandes eventos de amplitudes mundiais: Copa das Confederações, Jornada Mundial da Juventude, Copa do Mundo da Fifa-2014 e Olímpiadas, em 2016, nós nos vemos à volta mais uma vez com o problema dos APAGÕES. De apagão em apagão, não importa sua dimensão, se local, regional ou nacional, estamos assistindo a derrocada do custo altíssimo da falta de investimento em um quesito importante em qualquer país, que a infraestrutura. Precisamos cobrar das autoridades uma postura mais incisiva e determinante para podermos ver como fazer que a tranquilidade retorne aos nossos lares. Nem sempre a grande imprensa aborda o tema com propriedade, porque está à mercê de seus patrocinadores, e aí os interesses econômicos vão às alturas, deixando a responsabilidade de uma crítica construtiva. Mas existe um outro apagão mais terrível ainda, que é o apagão da consciência, da responsabilidade moral e social que pesa sobre todos nós. Aqui lidamos com situações extremas, uma vez que o risco está na dignidade da pessoa humana, que, afastada dos princípios morais e religiosos, não consegue avançar para águas mais profundas, como aconselhava do divino Mestre, o Mestre dos mestres. Os casos de violência doméstica, os problemas gravíssimos do assédio e do abuso sexual de crianças e adolescentes, também eles vítimas de uma televisão destruidora dos grandes valores morais e religiosos em nossa sociedade, os sequestros infindáveis de crianças, os desaparecimentos de pessoas de uma hora para outra, em vários lugares do país, basta ver a frequência com que são postadas notícias deste teor… Tudo isso nos leva a crer que estejamos passando por um grave problema de apagão moral e de consciência. O que fazer? Cada um cumpra com suas obrigações, todos nós tenhamos olhar crítico e atento sobre estas realidades, para não fugirmos aos graves problemas que nos afetam a todos homens e mulheres. Quando não uma consciência bem formada, corremos o risco de jogar o país e a sociedade a que pertencemos num turbilhão sem fim de problemas e dificuldades. Valeria perguntar, e sua consciência como vai? ! Contato: pe.jmcs@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *